Central de Atendimento
42 3220-2666
Ponta Grossa – PR
11 3606-5700
São Paulo – SP

Blog

Warehouse Management System

WMS (Warehouse Management System) é um software de gestão usado em Logística, particularmente em unidades de armazenagem. Na prática, ele faz o controle diário de processos e operações que envolvem o estoque e a logística de um negócio, desde a fabricação ou recebimento dos produtos até a entrega ao consumidor. Em português, estamos falando de um SGA, Sistema de Gerenciamento de Armazéns. Trata-se de um software robusto, que normalmente trabalha integradamente com outro potente software, o ERP (Enterprise Resource Planning), usado para o controle e planejamento de recursos empresariais, controlando o fluxo de informações em uma corporação entre diferentes departamentos.

O Warehouse Management System inicia suas operações se conectando a um banco de dados. A partir daí são registradas todas as movimentações que acontecem em um armazém. Esse controle pode ser realizado de diversas formas, desde o uso de código de barras até etiquetas com tecnologia RFID (Radio Frequency Identification). Para garantir a rastreabilidade, o WMS atribui um código único para cada um dos itens do armazém, os SKUs (Stock Keeping Unit ou Unidade de Controle de Estoque). Isso acontece no momento em que o produto entra para o estoque, podendo ser no recebimento ou na produção. Esse código reúne diversas informações da mercadoria, como lote, data de entrada, data de validade, dimensões, peso, conferente e fornecedor. Graças a esse controle, o WMS facilita algumas rotinas na empresa. Um exemplo é o recebimento, conferência, armazenagem, separação, movimentação, reabastecimento e expedição de produtos. Segundo o site Nuvem Shop, um bom WMS oferece serviços essenciais no gerenciamento de armazéns, como, por exemplo:

  • Gestão de alocação de mercadorias considerando, sistemas de controle de estoque, como a curva ABC;
  • Visão do mapa do armazém com especificações sobre os diversos setores e a disponibilidade de espaço em cada um;
  • Gestão de preparação de cargas;
  • Sistema de etiquetamento e documentação de remessas;
  • Administração do processo de carregamento em veículos;
  • Recursos que facilitem os processos de picking e packing.

Conforme o site Soft Data, o WMS (ou SGA) consegue corrigir uma série de falhas operacionais em unidades de armazenagem:

  • Falta de espaço
  • Desorganização de produtos
  • Inventário desbalanceado
  • Avaria nas mercadorias movimentadas
  • Lentidão em rotinas de conferência
  • Atrasos no carregamento
  • Extravio de mercadorias
  • Pedidos em duplicidade
  • Baixa produtividade da equipe
  • Custos elevados

Como se trata de um software multifuncional, o valor do investimento é alto. A definição de valores depende muito de cada comprador e das necessidades que ele tem. No entanto, os recursos investidos apresentam bons resultados. O site maplink.global agora 14 vantagens que um bom WMS apresenta:

  1. Maior eficiência no gerenciamento de armazéns e centros de distribuição;
  2. Maior organização e automatização dos processos logísticos;
  3. Otimização do espaço para armazenagem;
  4. Otimização das atividades operacionais e administrativas;
  5. Informações em tempo real sobre inventário, etapas e processos;
  6. Redução de custos por perda ou extravio de mercadorias, ou matérias-primas;
  7. Máximo aproveitamento de recursos e mão de obra;
  8. Redução do tempo de espera entre etapas;
  9. Gerenciamento de equipe;
  10. Melhorias na comunicação interna;
  11. Menor incidência de erros por falha humana;
  12. Redução de custos de armazenagem e mão de obra;
  13. Aumento da produtividade;
  14. Maior qualidade e agilidade nos serviços prestados aos clientes.

São vários os fornecedores desse software no Brasil. Mas alguns se destacam. Entre eles temos a HighJump, a Senior, a Totvs, a Delage e a Sankhya. Todas são excelentes empresas. Mas antes de fechar o contrato tome alguns cuidados. Em primeiro lugar, saiba quais são as suas necessidades. Depois avalie no mercado a experiência do fornecedor. Ligue para os clientes e veja que resultados eles estão obtendo, se a implantação foi tranquila, que tropeços ocorreram e se a assistência é adequada. Não foque apenas no preço. Avalie também o ROI (Retorno Sobre o Investimento). Ou seja, quais são os ganhos que aquele fornecedor oferece com o seu WMS. É preciso questionar quais serão os avanços concretamente. Por fim, é importante frisar que essa é uma relação de consumo que não termina com a compra do programa. O suporte técnico deve ser ágil e eficiente.

Gostou do artigo? Nós, da Águia Sistemas, podemos ajudar sua empresa nesse e em outros assuntos relacionados com Intralogística! Mantenha contato, converse conosco!